Imagem capa - 15 Fotógrafas Famosas e suas Fotos por Brownie41
Referências Fotográficas

15 Fotógrafas Famosas e suas Fotos

A fotografia não seria o que é hoje se não fosse pela coragem e paixão dessas 15 fotógrafas impressionantes que compartilham uma coisa incrível: seu gênero. Como tantas outras coisas na história, a fotografia é muitas vezes vista como um lugar lotado para os homens, mas, graças à convicção e paixão de muitas grandes mulheres, a fotografia alcançou um estado sublime de arte e disciplina.

Graças à nossa lista de "Fotógrafas Famosas", lembramos as grandes obras do passado próximo neste mundo frenético de imediatismo e conteúdo viral. No espírito das listas e do nosso amor pela fotografia, temos o prazer de apresentar 15 fotógrafas famosas do século XX.

De artistas complexas como Francesca Woodman a inacreditavelmente feroz como a jovem Gerda Taro, as mulheres contribuíram muito para a fotografia que conhecemos hoje. Na verdade, não seria o mesmo sem cada uma dessas 15 mulheres incríveis. E, embora estreitar a lista tenha sido difícil e agridoce, estamos entusiasmados em compartilhar nossas 15 melhores escolhas de fotógrafas famosas.


1. ANNIE LEIBOVITZ (1949 – )


© Annie Leibovitz

Ela foi influenciada por muitos fotógrafos como Robert Frank e Henri Cartier-Bresson - que são surpreendentemente bem conhecidos por seus trabalhos - durante seu tempo no San Francisco Art Institute. Também inspirada por Richard Avedon, Leibovitz teve um belo relacionamento com a escritora e ensaísta Susan Sontag, que contribuiu muito para a inspiração e o trabalho de Leibovitz.


© Annie Leibovitz

Hoje, Leibovitz é considerada a fotógrafa dos famosos. Suas produções são muito bem pensadas e oferecem conceituação extrema. Ela também é conhecida por tirar a última imagem de John Lennon antes de sua morte.

Você pode ver alguns de seus trabalhos aqui, mas se você tiver a chance de comprar este livro, por favor, faça. Você não vai se arrepender.


2. BERENICE ABBOTT (1898 – 1991)


Uma fotógrafa americana amplamente conhecida por seus retratos, o amor pela fotografia de Berenice Abbott começou em 1920, quando ela trabalhou como assistente de câmera para o fotógrafo peculiar e amplamente conhecido como o surrealista Man Ray. Desenvolvendo seu próprio talento e estética depois de conhecer pessoas como Max Ernst, James Joyce e Edna St. Vincent Millay, ela também se inspirou nas imagens agradáveis de Eugène Atget.


© Berenice Abbott

Num sentido artístico, a Abbott buscava imagens objetivas que se destacassem por si mesmas, em vez de referenciar apenas outras formas de arte clássica, com o preto e o branco sendo seu meio de escolha. Seus retratos são historicamente centrados em torno das guerras mundiais e figuras culturais com suas fotografias arquitetônicas e urbanas, como aquelas vistas em suas peças em Nova York, oferecendo uma estética impressionante.


© Berenice Abbott

Você pode ver um pouco do seu trabalho aqui.

3. CINDY SHERMAN (1954 – )


Cynthia Morris Sherman é uma artista e fotógrafa peculiar que também é uma das figuras mais importantes da era do pós-guerra, com seu trabalho exposto no Museu de Arte Moderna por mais de três décadas. Ela é mais conhecida por personificar os estereótipos clássicos do “film noir” ( expressão francesa designada a um subgênero de filme policial )  e do cinema europeu no que é conhecido como "filmes de autor" dos anos 50 e 60.


© Cindy Sherman

Seu trabalho mais famoso é Untitled Film Stills, que foi produzido de 1977 a 1980 e inclui uma série de 69 fotos onde ela encena femininos clichês da cultura pop do século XX. Seu duplo papel consistente como sujeito e espectador é uma evidência marcante de sua declaração artística.


© Cindy Sherman

4. DIANE ARBUS (1923 – 1971)


Diane Arbus era uma fotógrafa americana que se concentrava em um grupo demográfico excepcionalmente singular - os marginalizados. Durante seu tempo, este grupo social foi preenchido por anões, gigantes, transgêneros, nudistas, artistas de circo e muitas outras personas surreais que capturaram sua atenção. Ela é muitas vezes considerada a Sylvia Plath da fotografia por causa de seu trabalho, bem como seu suicídio precoce. O que sabemos hoje sobre Arbus é graças à brava e apaixonada convicção de John Szarkowski, o famoso e histórico curador do Museu de Arte Moderna. Ele apresentou seu trabalho ao lado de Garry Winogrand e Lee Friedlander sob o conceito intitulado "Uma nova geração de fotógrafos de documentário".


© Diane Arbus

Incorporando a importância de se aproximar das pessoas quando se trata de retratos ambientados e cotidianos,  Arbus é uma verdadeira inspiração. Ela foi creditada por habilidade surpreendente de separar seus assuntos do contexto ou da sociedade.


© Diane Arbus

Você encontra um livro com seus trabalhos aqui.

5. DOROTHEA LANGE (1895 – 1965)


Dorothea Lange foi uma importante fotógrafa documental e fotojornalista americana  conhecida por seu trabalho durante a Grande Depressão do século XX pela Farm Security Administration (FSA).


© Dorothea Lange

A Mãe Migrante é talvez seu trabalho mais icônico e é também a imagem mais famosa que ela produziu durante seu período na FSA. A imagem incorpora as complexas lutas da classe trabalhadora americana da época.


Migrant Mother ©Dorothea Lange

Você pode ver mais exemplos do seu trabalho aqui.

6. FRANCESCA WOODMAN (1958 – 1981)


Nascida em uma família de artistas, Francesca Woodman não era estranha à fotografia americana e aos seus influenciadores graças a seus pais, George e Betty Woodman. Hoje, os Woodmans gerenciam os arquivos de suas filhas, que incluem aproximadamente 800 imagens, das quais apenas 120 foram divulgadas por meio de exposições ou em livros.



© Francesca Woodman


Talvez não seja a fotógrafa feminina mais famosa, mas o talento de Woodman é inegável. Ela é conhecida principalmente por seus auto-retratos e foi definida por sua atitude desveladora em relação à câmera. Embora ela tragicamente tenha cometido suicídio aos 22 anos de idade em 1981, seu trabalho continua a ser alvo de ampla aclamação e atenção da crítica.


© Francesca Woodman

Você pode ver mais do trabalho dela aqui.

7. GERDA TARO (1910 – 1937)


Gerda Taro é uma fotógrafa que a história não pode esquecer. Nascida como Gerta Pohorylle, mas assumindo o seu pseudônimo de fotojornalista jovem e talentosa, Taro foi pioneira no fotojornalismo, especialmente quando se fala da guerra. Hoje, ela é reconhecida como a primeira fotojornalista a cobrir um conflito em Belic e, infelizmente, também é conhecida como a primeira mulher que morreu fazendo essa tarefa corajosa.


© Gerda Taro

Romanticamente envolvida com Endre Ernö Friedmann, Taro e Friedmann clicaram sob uma assinatura - Robert Capa.  Por causa disso e da dificuldade em determinar a autoria de algumas imagens, o trabalho de Taro é muitas vezes complexo e difícil de examinar. Um mecanismo que tem sido confiável ao atribuir certas imagens a Taro e outros a Friedmann é o formato das imagens. Taro trabalhou com uma câmera de médio formato 6 × 6, enquanto Friedmann trabalhava com uma câmera de 35mm; no entanto, mesmo assim, o compartilhamento de câmeras poderia ter ocorrido facilmente.



© Gerda Taro

O irmão de Friedmann, Cornell Capa, é o homem por trás do Center of Photography e assumiu a tarefa de publicar alguns dos trabalhos de Taro aqui. Você também pode ouvir essa música de Alt-J que é dedicada a Taro ou assistir ao vídeo The Mexican Suitcase que fala sobre alguns negativos produzidos por Taro, Friedmann e David “Chim” Seymour.


8. HELEN LEVITT (1913 – 2009)


Para mim (e muitos outros fotógrafos também), captar humor com fotografia pode ser difícil. No entanto, Helen Levitt fez parecer fácil. Uma fotógrafa americana conhecida por sua fotografia de rua, o talento de Levitt não parou por aí enquanto ela dominava a captura de humor nas ruas. Ela é agora considerada a "fotógrafa feminina mais celebrada e menos conhecida de seu tempo" e foi pioneira em fotografia de rua em cor. Hoje, existe até um enorme debate sobre a fotografia de rua ser monocromática ou colorida.


© Helen Levitt

Ao solicitar e receber não apenas uma bolsa, mas a bolsa de prestígio do Guggenheim, Levitt teve uma excelente oportunidade de explorar sua cidade natal. Com a concessão renovada pela segunda vez em 1960, ela honrou os requisitos da bolsa e o mundo da fotografia, capturando centenas de imagens que mudaram do preto e branco para as cores.


© Helen Levitt

Você encontra um livro do seu trabalho aqui. E mais do seu trabalho no MoMA.


9. IMOGEN CUNNINGHAM (1883 – 1976)


Uma fotógrafa americana conhecida principalmente por seu trabalho botânico, bem como seus nus e paisagens industriais, Imogen Cunningham era membro do famoso grupo de fotografia f / 64. Ela foi uma das primeiras fotógrafas profissionais do sexo feminino com seu amor, paixão e compromisso pela arte que atinge muitas áreas.



© Imogen Cunningham


Um aspecto importante da arte de Cunningham é que ela também estava muito interessada em assuntos humanos, especialmente artistas, com suas paisagens industriais mostrando uma inegável “pegada humana”. Ela é freqüentemente associada com outros icônicos fotógrafos do século 20 como Ansel Adams, Minor White, e Dorothea Lange.


10. MARGARET BOURKE-WHITE (1904 – 1971)


O trabalho de Margaret Bourke-White tornou-se o paradigma do compromisso social e político do jornalismo fotográfico norte-americano. Ela estava particularmente interessada em fotografia industrial e recebeu sua primeira missão da revista Fortune em 1930. Durante a Segunda Guerra Mundial, ela trabalhou como correspondente de guerra e retratou a realidade muitas vezes dura da guerra. Suas imagens em movimento da libertação dos campos de concentração tiveram repercussão mundial em termos de percepção e consciência.

Graças a uma missão da revista LIFE, Bourke-White mudou-se para a Índia em 1946 para capturar a libertação dos hindus. Sua imagem mais icônica desse período é a de Gandhi e o Spinning Wheel, que enfatizava a importância da roda de fiar como símbolo da independência da Índia.


Ghandi and the Spinning Wheel © Margaret Bourke-White

Você encontra mais do seu trabalho aqui.

11. MARY ELLEN MARK (1940 – 2015)


Mary Ellen Mark era uma incrível fotojornalista americana com um foco social especial em pessoas que estavam “longe da sociedade dominante”. Seu trabalho mais famoso é Streetwise e pode ser visto aqui. Graças a publicações como LIFE, Rolling Stone, The New Yorker e The New York Times, seu trabalho viu a luz do dia. Ela também foi membro da Magnum Photo Agency por 5 anos.


© Mary Ellen Mark

Embora ela seja amplamente conhecida como fotojornalista e fotógrafa de  documentários, suas imagens vão além dos gêneros. Seu trabalho não é como qualquer outro jornal de notícias porque eles estão profundamente enraizados na realidade com muitas das lutas sociais e questões do tempo registradas nas faces humanas de seus assuntos que de outra forma seria obscurecido no mundo seco das estatísticas. 


© Mary Ellen Mark

Você pode ver alguns de seus trabalhos aqui.

12. SALLY MANN (1951 – )


Extremamente conhecida no mundo das belas artes, a técnica favorita de Sally Mann tem sido o grande formato  com fotografias em preto e branco. Ela se concentra nos aspectos assustadores da vida e desafia o espectador com imagens que muitas vezes parecem estranhas ao público comum.


© Sally Mann

Prolífica quando se trata de assuntos de paisagens para imagens íntimas e próximas de seus próprios familiares e entes queridos, Mann é conhecida por usar sua família como seus assuntos principais. Como podemos ver neste magnífico trabalho, ela compartilha a intimidade de seus próprios filhos pequenos, muitas vezes nus, cuidando de suas vidas diárias - comendo, dormindo e brincando.


© Sally Mann

Você pode ver ótimos exemplos de seu trabalho aqui. Se você tiver a oportunidade de assistir a uma exposição de seu trabalho, faça isso. Você não vai se arrepender!


13. SUSAN MEISELAS (1948 – )


Susan Meiselas é uma fotógrafa americana de documentários cujo trabalho foi publicado em muitos jornais e revistas, incluindo o New York Times, o Times, a Time, a GEO e a Paris Match. Além de ser membro da Agência de Fotos Magnum desde 1980, ela recebeu a Medalha de Ouro Robert Capa de 1979 e foi nomeada MacArthur Fellow em 1992. 

Sua imagem icônica intitulada Molotov Man tornou-se um símbolo de causas revolucionárias primeiro na Nicarágua e depois em outros países, como o Guerrillero Heroico de Alberto Korda, tornou-se um símbolo internacional. Meiselas também documentou o Massacre El Mozote em 1981 durante o conflito de guerra civil em El Salvador.


Molotov Man © Susan Meiselas

Um de seus ensaios mais importantes é o Carnival Strippers, no qual ela documentou as duas faces dos shows de carnaval itinerante nos Estados Unidos de 1972 a 1976.


Carnival Strippers © Susan Meiselas

Você pode ver mais do seu trabalho aqui.


14. TINA MODOTTI (1896 – 1942)


Embora ela tenha nascido na Itália, a vida e a fotografia de Tina Modotti foram fortemente marcadas pelo tempo que ela passou no México com suas fotografias transmitindo sua própria sensibilidade à cultura mexicana enquanto refletia a evolução de suas ideias políticas. Imersa na cena vanguardista mexicana, ela criou um importante arquivo fotográfico sobre a cultura e política do país após a revolução.


© Tina Modotti

Muitos acreditam que Modotti tentou equilibrar a dicotomia entre estética e política, apresentando-lhes elegância absoluta. De longe, sua imagem mais icônica é o Desfile dos Trabalhadores. Mais de seu trabalho pode ser encontrado aqui.


Worker’s Parade © Tina Modotti

15. VIVIAN MAIER (1926 – 2009)


Vivian Maier não era conhecida como uma fotógrafa como as outras mulheres da nossa lista. Em vez disso, ela trabalhou como babá por quatro décadas e levou sua câmera em seu tempo livre para perseguir e colecionar momentos nas ruas. Ela tirou 150.000 fotografias durante a sua vida e reescreveu a história da fotografia de rua com o seu trabalho. Ela é um ótimo exemplo da importância de constantemente revisitar a história.


© Vivian Maier

Durante sua vida, suas imagens eram completamente desconhecidas e, portanto, permaneciam inéditas. Suas imagens eram para ela e mais ninguém. Suas fotografias privadas foram controversamente descobertas por John Maloof, e é por isso que suas imagens mais preciosas estão disponíveis para o nosso deleite. Você pode ver mais de seu trabalho aqui e no seu livro. Você também pode assistir ao documentário Finding Vivian Maier para entender mais sobre suas crenças. Depois, talvez você tenha suas próprias dúvidas sobre a controversa descoberta e publicação de seu trabalho.


© Vivian Maier

Texto de Viktor Elizarov   

Fonte: Foto Traces

Tradução: Ana Campbell